ONGs de acolhimento a vítimas de queimaduras continuam com trabalhos na pandemia

Instituições ainda precisam da ajuda da sociedade com doações para darem continuidade a ações

No período da pandemia do coronavírus, as organizações não governamentais que atendem vítimas de queimaduras se adaptaram ao mundo virtual para acolher e informar essa população. Muitas trabalham com doação de recursos para o tratamento, oferecendo apoio psicológico, fazendo campanhas educativas e buscando melhorias junto ao poder público. 

Porém, a maioria das instituições alega que tiveram uma queda significativa nas doações. A Sociedade Brasileira de Queimaduras (SBQ) mostra a situação de cinco instituições e deixa o contato para quem puder apoiar e ajudar no importante trabalho realizado pelas ONGs:

Núcleo de Proteção aos Queimados

Segundo a coordenadora geral do Núcleo de Proteção aos Queimados, Rosa Irlene Serafim, as doações e o apoio no período se tornaram mais raras, tanto dos empresários como da sociedade. Mesmo com a redução de apoio, a ONG não deixou de ajudar as pessoas que as procuram. “A diferença é que em outros tempos era rápido e todos eram agrupados e encaminhados”, lamenta.

Para passar pela pandemia, Rosa diz que estão se adaptando ao momento. “O grupo de bordados tem se mantido; estamos realizando a prevenção on-line, em menor número; temos um grupo forte de sobreviventes e voluntários colaborando para que, mesmo timidamente, as atividades se mantenham com todos os cuidados.Sobre apoio e reconhecimento, isto sinto falta para o terceiro setor”, relata.

Saiba mais sobre a ONG em: https://npq.org.br/.

Telefones: (62)3224-3842 / (62) 99982-7119

Associação Maranhense de Apoio a Sobreviventes de Queimaduras (Amasq)

No início de 2020, a Amasq conseguiu o CNPJ, o que possibilitou à associação receber doações. Mas, com a pandemia, tudo ficou mais restrito. Segundo os diretores executivos da Associação, Andréa Barbosa, Linda Kaene e Daniel Moraes, a ONG atua no Maranhão, considerado o estado mais pobre do Brasil e com o maior no índice de internação por queimaduras em toda a região Nordeste.

“A maior parte dos sobreviventes que procuram a Amasq vivem na pobreza, alguns em casas que sequer possuem banheiro, além de morarem em povoados, onde não há atendimento especializado. Diante desse quadro, possuímos extrema necessidade de doações, uma vez que há inúmeras demandas dos sobreviventes que nos procuram. As doações que recebemos são pontuais, em campanhas que fazemos nas redes sociais, mas são insuficientes para cobrir todos os custos administrativos e assistenciais”, relatam 

Alguns projetos presenciais desenvolvido foram suspensos, mas estão adotando a forma on-line para reunir sobreviventes. Os diretores executivos contam que, em meio a pandemia, tem recebido muitos sobreviventes, adultos e crianças, que tiveram queimaduras com o uso do álcool 70%, tanto líquido quanto em gel.

Saiba mais sobre a Associação em: Instagram:@amasq_queimaduras/ Facebook: amasq.queimaduras

Telefone: (99) 98500-3683

Associação Nacional dos Amigos e Vítimas de Queimadura (Anaviq)

A presidente da Associação Nacional dos Amigos e Vítimas de Queimadura (Anaviq), Alexandra Bilar, conta que, como já realiza a maioria dos trabalhos on-line, por meio do whatsapp e das redes sociais, não sentiu tanto o impacto da pandemia.

Alexandra diz que as doações e apoio continuam, mas que precisou comunicar mais as pessoas atendidas pela Associação. “Foi necessário ampliar o trabalho de informação, da motivação e do encorajamento nos grupos. Uma vez que a maioria dos participantes se encontra sem tratamento médico e ansiosos em razão da pandemia”, relata.

Saiba mais sobre a Associação em: http://anaviq.org.br/

Telefone: (11) 93057-2221

Instituto de Políticas e Atenção a Queimaduras (IPAC)

A presidente do Instituto de Políticas e Atenção a Queimaduras (IPAC), Elaine Tacla, conta que eles não receberam nenhuma doação desde o início da pandemia. “Participamos de um edital e ganhamos. Com ele, realizamos campanhas nas unidades de queimaduras de São Paulo para prevenção da Covid e queimaduras”.

Além da diminuição da procura ao Instituto, Elaine conta que eles não puderam realizar o II Curso de Prevenção de Queimaduras, em São Paulo, que seria realizado em faculdades sobre o tratamento de queimaduras.

Saiba mais sobre o Instituto: https://www.facebook.com/ipaqbr/

Associação dos Portadores de Sequelas de Queimaduras (APOSEQ)

Para a diretora presidente da Associação dos Portadores de Sequelas de Queimaduras (APOSEQ), Ana Aparecida de França e Silva, a pandemia impactou, de forma significativa, as ações da associação e impossibilitou os atendimentos, já que as salas de confecção de malhas compressivas e de atendimento estão no mesmo espaço da triagem a casos de Covid-19 do Hospital Regional da Asa Norte (Hran).

As ações para arrecadar doações também foram paralisada no período. “O apoio em termos de recebimento de doações é sempre um fator a ponderar. Evidente que a ausência de doações comprometeu as ações, até porque os eventos de arrecadação como Bazar Solidário e Almoço Beneficente estão temporariamente suspensos por questão de segurança e respeito aos Protocolos de Segurança”, conta.

Telefone: (61) 98142-4833

Fonte: Sociedade Brasileira de Queimaduras Imagem ilustrativa: Pexels

Comentários estão fechados