Ministro fala sobre segurança do paciente na Abertura do Simpósio Einstein-IHI

O Ministro da Saúde Alexandre Padilha abriu hoje o Simpósio Einstein-IHI: Implantação e Disseminação de Programas de Segurança do Paciente, reforçando a importância do Programa Nacional de Segurança do Paciente, iniciado em abril, para trazer o tema da segurança do paciente para o centro da discussão do SUS.

Segundo o Ministro, o Simpósio que acontece no Einstein até a próxima terça ajuda a divulgar e sistematizar o conhecimento necessário para superar problemas como a estrutura do sistema hospitalar brasileiro e a formação dos profissionais que atuam nas práticas médicas e assistenciais.

“Impressiona o fato de que a cada 100 pacientes que entram no hospital, 16 saem com algum problema diferente do que aquele que o motivou à internação” declarou o Ministro em seu discurso de abertura.

O Ministro se referiu à Portaria que determina que todos os hospitais, privados e públicos, para funcionar, tenham um núcleo de segurança do paciente ativo, como fundamental para se estabelecer um banco de dados de erros e eventos adversos que podem embasar políticas de melhoria.

Para Claudio Lottenberg, presidente da Sociedade Beneficente Israelita Albert Einstein, que abriu os trabalhos do seminário, a obsessão do Einstein pelo tema da segurança facilitou que o Hospital fosse o primeiro a obter a certificação da Joint Comission International, há18 anos, e agora, a parceria com o IHI – Institution for Health Improvement. “Pedimos ao IHI para estar conosco no Brasil. Sentimos orgulho de trazer essa parceria para cá, pois acreditamos que haverá uma repercussão em um sistema muito maior, que é o SUS”, afirmou Lottenberg.

De acordo com o vice-presidente do IHI, Derek Feeley, a questão da segurança é um desafio global em qualquer sistema e para demonstrar isso citou Estados Unidos, Escócia e Inglaterra como exemplos. “Vidas podem ser salvas e danos evitados”, concluiu o vice-presidente do IHI ao citar a missão da instituição.

Alguns exemplos de fácil aplicação, que o Hospital Albert Einstein passa a dividir com o Ministério da Saúde, e que já têm grande impacto interno são o Programa de Cirurgia Segura, que envolve um check-list por parte da equipe médica e assistencial de 17 perguntas; a identificação de eventos adversos e promoção de uma mudança cultural dos colaboradores; implantação de um comitê de segurança para debater cada evento; protocolos de segurança do colaborador e programas de higienização das mãos.

 

Serviço:

Einstein-IHI: Implantação e Disseminação de Programas de Segurança do Paciente

De 3 a 5 de novembro

Auditório Moise Safra – Hospital Israelita Albert Einstein

Av. Albert Einstein, 627 – Morumbi – SP

Fonte: Assessoria de imprensa HIAE

Comentários estão fechados