Einstein divulga balanço da primeira semana na tenda da Brasilândia

images Desde 6 de abril o Hospital Israelita Albert Einstein e seus colaboradores estão apoiando, de forma voluntária, a Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo no enfrentamento da dengue. O balanço na primeira semana foi de 858 atendimentos com 25% de retornos e cinco internações, duas por dengue hemorrágica.
Em uma semana, o Hospital se mobilizou para providenciar as condições para a operação, incluindo ar condicionado, laboratório, poltronas reclináveis, materiais e medicamentos. Movidos pela solidariedade, colaboradores escolheram quebrar a sua rotina de trabalho para dedicar um ou mais plantões na ao atendimento à dengue.
A tenda não é um hospital de campanha, mas uma extensão ambulatorial da UBS e como tal funciona nos mesmos dias e horários.  Tem como principal objetivo evitar mortes pela dengue, detectando-se precocemente os casos com potencial hemorrágico, através de exame de sangue, indicando a internação para tratamento de suporte. Outro objetivo é verificar o grau de desequilíbrio fisiológico e oferecer hidratação oral ou venosa, se necessário.
A tenda está preparada para atender exclusivamente à dengue sendo, portanto, necessário que o doente tenha sido previamente avaliado como tendo forte suspeita da doença. A tenda foi planejada para atender 150 casos por dia e funcionar 10 horas ininterruptas, devendo ser fechada às 18 horas, e nenhum paciente deve permanecer além deste horário. Assim, havendo uma demanda contínua, num determinado momento é interrompida a admissão de novos doentes, para que os que estão na fila de espera dentro da tenda possam completar o ciclo de atendimento até às 18 horas. Isso pode ocorrer por volta das 15 horas, quando a fila de espera chega a 50 pessoas. Vale lembrar que os hospitais e as UPAs permanecem abertos para atender doentes de dengue e outras doenças.

Comentários estão fechados