Inflamação pode ser positiva: entenda como

Vermelhidão, inchaço e calor indicam regeneração do organismo e não é preciso imobilizar aquela parte do corpo

Quando você sente um inchaço no corpo, vermelhidão e calor, fica preocupado? Pois saiba que a inflamação não é uma doença, e sim uma resposta do organismo a uma lesão. Ou seja: ela pode ser positiva.

É preciso diferenciar inflamação de infecção: essa última, sim, merece grandes cuidados por representar a presença de bactérias, com o aparecimento frequente de pus – um reflexo da reação do corpo a algum invasor, seja vírus, bactéria, parasita ou fungo. Outros sintomas de alerta são a febre, dor no local ou muscular, diarreia, fadiga e tosse.

Já a inflamação, ainda que traga dor, significa regeneração. E isso é bom! “A inflamação produz um edema, mas isso faz parte do processo de cura e reconstrução do tecido”, explica a terapeuta ocupacional Syomara Cristina Szmidziuk, que tem experiência de 30 anos na área.

Para resumir, a inflamação é uma resposta do corpo, seja a uma agressão, como um corte ou batida, ou parte do próprio sistema imunológico, quando as células de defesa ocasionam a dilatação dos vasos e aumento do fluxo sanguíneo. Os sintomas costumam ser a vermelhidão, o inchaço, a dor e o aquecimento da área.

Como exemplo, ela cita o período de pós-operatório da Síndrome de Quervain, uma das mais frequentes causas de dor na mão, que afeta o tendão ao lado do polegar. Quando é feita a cirurgia, após cerca de 15 dias existe a recomendação para que a pessoa inicie a terapia ocupacional. O profissional irá realizar atividades adequadas a cada caso.

“Hoje, o protocolo é muito mais ágil, porque a tendência das pessoas é imobilizar a área inflamada – e daí pode ocorrer uma contratura, que é ainda pior”, esclarece Syomara. “Para evitar a rigidez muscular, o terapeuta ocupacional irá trabalhar o movimento de dedos, mão e braço, com toda a segurança.”

Ao tomar todos os cuidados e seguir as orientações do médico e do terapeuta, o paciente terá a força e movimentos restituídos rapidamente.

Fonte: Dra. Syomara Cristina Szmidziuk / Imagem ilustrativa: Pixabay

Comentários estão fechados